Soft Skills: a mentalidade aberta definirá o profissional do futuro

Foto: rawpixel.com / Pexels
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Tempo de Leitura: 3 minutos
Habilidades como comunicação, liderança e empatia já são necessárias hoje, mas é o desenvolvimento da mentalidade aberta que garante o seu aprendizado efetivo

Precisamos de pessoas mais humanas. Essa foi uma das mensagens que o último HackTown deixou quando o assunto é o futuro do trabalho. Além de aprender a se adaptar às tecnologias que chegarão, o que as muitas palestras e painéis do evento reforçaram é que os profissionais terão que ir além das habilidades técnicas para se manterem no mercado. 

A procura pelas soft skills, aquelas habilidades não-mensuráveis, já é um destaque hoje. Buscar resiliência, pensamento criativo e aspectos de liderança nos profissionais é um ponto ao qual as empresas têm dado cada vez mais atenção – ainda mais com a automação ganhando espaço. 

Aliás, já existe um termo um pouco diferente no exterior para essas habilidades, que serão de extrema importância para que humanos e inteligências artificiais colaborem profissionalmente: “the missing middle”, algo como “o que falta no meio”, em português. 

De acordo com um relatório da Accenture sobre futuro do trabalho, para que essa nova dinâmica funcione bem, as pessoas precisarão desenvolver ainda mais suas habilidades “humanas”. 

E a necessidade vem em uma crescente. Em uma análise dos últimos 12 anos, a empresa detectou que os empregos, nos Estados Unidos, hoje exigem um alto nível de criatividade, 47% maior capacidade de raciocínio complexo e 36% mais habilidades sócio-emocionais. 

Boa parte das hard skills, os fazeres técnicos e mecânicos, serão executados pelas máquinas – o que não necessariamente significa que eles não serão mais necessários. Porém, o trabalho “mais humano do que nunca”, como disse Vinicius Soares, fundador da Mais A.I., durante o festival de inovação, será a base para qualquer profissional daqui para a frente. 

Pensar no desenvolvimento dessas “missing middle skills” é positivo não só do ponto de vista profissional, mas também para as empresas. Um estudo recente feito pelas universidades de Harvard, Boston e Michigan, concluiu que ter habilidades de comunicação clara e resolução de problemas aumenta a produtividade e a retenção de talentos em 12% – além de gerar um retorno de 250% em investimentos. 

Também durante o HackTown, Jeni Shih, COO de Cloud & Cognitive da IBM, questionou que saber onde o ser humano agregará valor daqui para frente é o diferencial do mercado de trabalho. De fato, muitas profissões deixaram de existir ao longo da história – e muitas ainda deixarão -, mas, diante do crescimento das máquinas, as habilidades que conectam as pessoas é que farão essa transição de uma era digital para a era da experiência, em que a presença das A.I serão mais fluídas: “As novas profissões exigem muito mais competências hoje e os modelos de negócios estão se transformando muito mais rapidamente”, disse. 

Soft Skills, missing middle e mentalidade aberta

Segundo a coach e headhunter Margot Nick, as soft skills “são essenciais para o nosso relacionamento com os outros”. Para ela, as habilidades técnicas, como aprender uma nova língua, são mais fáceis de desenvolver, mas as competências não mensuráveis garantem que as pessoas ajudem umas às outras a crescerem profissionalmente. 

“O mundo certamente ficará mais automatizado, rapidamente, e alguns ‘empregos’ desaparecerão, mas ainda seremos seres humanos trabalhando em conjunto, uns para e com os outros”, explica ela ao Coexiste.Info.

Para os fundadores da Coexiste, Kaw Yin e Yan Yin, especializados em desenvolvimento consciencial, como as demandas crescentes por habilidades passam por relacionamento, visão sistêmica, criatividade e adaptabilidade, elas podem ser resumidas de uma forma muito simples: “Unir pessoas em torno de um projeto em comum”, afirmam. Tarefa que não é simples.

Mas como desenvolver essas habilidades, sejam elas chamadas de soft skills ou de missing middle, e como podem facilitar essa relação com a tecnologia? Um ponto essencial é a mentalidade aberta. Adquirir a capacidade de adaptação depende de se manter aberto ao que chega, sem considerar o passado. “O máximo de inovação que se pode alcançar é você olhar para tudo sem que o passado envelheça a sua mente”, explicam Kaw Yin Yan Yin. Isso significa desapegar do que se pensa. “As coisas estão caminhando muito rápido, e será necessário desenvolver o não medo de mudança, desenvolver a adaptabilidade, a mentalidade aberta, ou a abertura para o desconhecido. Para isso você vai ter que desapegar do que você pensa, isso é mentalidade aberta. Qualquer valor antigo que você considere importante vai te prender no passado, e você vai perder o bonde”.

Essa abertura mental, portanto, leva a uma mudança no seu sistema de pensamento, que passa a olhar de forma mais ampla para o contexto e o que ele precisa, sem considerar premissas passadas, conclusões ou pré-conceitos. E é nisso que a relação com o trabalho já começa a se basear, abandonando visões antigas do que era um trabalho e como ele atendia aos cenários. Hoje, por exemplo, a Accenture relata que 46% das grandes empresas já acreditam que as descrições profissionais tradicionais estão obsoletas. Outras 63% afirmam que as ofertas de emprego vão crescer, já que as necessidades, com a implementação da A.I, vão mudar também – e, para atender essas novas necessidades, a mentalidade aberta é e será imprescindível. 

O caminho mais claro, então, é buscar essa nova visão, livre do passado e aberta para compreender o que cada contexto pede e qual a melhor forma de atendê-lo.

0 0 vote
Article Rating
TAGS:

RECEBA A Coexiste.info no seu E-mail

.Conteúdos relacionados

Distanciamento social

Tão longe, tão perto

Tempo de Leitura: 7 minutos O distanciamento social tem sido uma grande oportunidade de reolhar os relacionamentos e entender onde as conexões acontecem. Não ter medo de mudar o que se pensa é o início desse processo

Leia Mais »

.Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

5 filmes que te ensinam sobre a nossa existência

Encontramos no cinema obras que nos ajudam a olhar para a vida e a nossa realidade com outros olhos. Confira!
Leia mais

O que é a Mente

A Mente é o atributo do Espírito que coloca em ação a sua condição criativa.
Leia mais

Especial HackTown 2019

Nossa equipe esteve em Santa Rita do Sapucaí para trazer para você o que rolou de melhor em um dos eventos de inovação mais importantes do pais
Leia mais

O teatro como ferramenta de transcendência

A Coexiste Teatro une o treinamento da consciência existencial aos princípios das artes cênicas para que atores profissionais exerçam a sua função com máxima relevância.
Leia mais